segunda-feira, 13 de abril de 2009

Capitão Vlademir Assis pede o fim do assédio moral nos quartéis

Confira o vídeo:

4 comentários:

Imprensa disse...

Olá, Capitão Assis!

Somos da Assessoria de Imprensa do Deputado Estadual Soldado Moisés. Primeiramente, gostaríamos de dizer que A REFERIDA NOTA NÃO PROCEDE e que o DEPUTADO SOLDADO MOISÉS NÃO RETIROU O PROJETO DE PAUTA.

Como a verdade sempre aparece, temos as respostas no Jornal do Commercio de hoje (14/04) e no Diario Oficial do Poder Legislativo, também de hoje (14/04)

Esperamos que o senhor divulgue a verdade como ela veio à tona.

Um abraço.

Vlaudimir Salvador
Taís Paranhos

(Assessoria de Imprensa do Deputado Soldado Moisés)

Imprensa disse...

Matéria no Diario Oficial do Poder Legislativo:

Lei do Assédio Moral -
Socialista rebate nota publicada na imprensa

Publicado no Diário Oficial do Estado (D.O.E.) em 14/04/2009.

O deputado Soldado Moisés (PSB) rebateu, ontem, a nota publicada no Jornal do Commercio, no último sábado, intitulada Com os dois pés no freio.

O texto trata do Projeto de Lei nº 979/2009, de autoria do parlamentar, e avalia que o Governo do Estado pressionou o socialista a retirar da pauta de votação a emenda que visa beneficiar policiais militares e bombeiros com a Lei do Assédio Moral.

O socialista informou que a análise veiculada é equivocada. "Faço parte de um Governo democrático e, em nenhum momento, fui pressionado para retirar a proposição. Meu mandato tem como principal objetivo defender os interesses dos profissionais das corporações", pontuou.

Moisés solicitou o apoio dos demais deputados estaduais para que aprovem a proposta, pois "rejeitá-la é votar contrário aos profissionais de segurança pública do Estado que arriscam a vida pela sociedade".

Imprensa disse...

Um projeto polêmico
Publicado em 14.04.2009


Embora interlocutores do Palácio tenham tentado reverter o processo, o deputado Soldado Moisés (PSB) manteve o projeto que estabelece sanções por assédio moral na PM e Bombeiros.
A matéria – que deve ir hoje à votação na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia – gera polêmica porque, se aprovada, permitirá a cabos e soldados questionarem excessos de autoridade por parte de patentes superiores.

Moisés, porém, é inflexível na defesa da categoria. Diz que a maioria dos processos movidos pela Associação dos Cabos e Soldados contra oficiais e sargentos é por assédio moral. E lembra que em 2007 os deputados aprovaram projeto semelhante para os servidores civis. “Os soldados também são gente, e não podem ser humilhados por abuso de autoridade”, conclui. Moisés participa hoje, às 14h, de debate sobre o projeto na TV Assembleia.

Vlademir Assis disse...

Olá, sempre apoiamos o deputado Soldado Moisés e ao tentar contactar com o mesmo por centenas de vezes não tivemos retorno, me ligaram dizendo que havia saído a nota no JC, lí tentei contato com o deputado sem sucesso, então como sempre temos feito sobre os temas da nossa categoria divulguei a notícia, não entendi a colocação: "Esperamos que o senhor divulgue a verdade como ela veio à tona.", o autor da matéria é Paulo Scarpa ele ´que deve informar onde colheu a notícia...

Com certeza publicarei a nova notícia, o desmentido, mas não sou o "pai da criança".

Forte abraço